Digite sua pesquisa

Blog

DIALÉTICA Formal

tento unir consoantes e vogais formas incompletas cobrem páginas de interrogações mortais   é quando estou no escuro que procuro a luz, meu alfabeto e a paz. In: COSTI, Marilice Costi. Mulher ponto inicial. Porto Alegre: Movimento, 1985. p. 25.

POESIA de Marilice: GERME-AÇÃO

@Marilice Costi, 1998. espelho invertido do que fui sou collage de orvalho, silicone e fuligem no ar opaco do por-de-sol Colagem azul 1- Marilice Costi - Revista O CuidadorArquivo MC meu sonho é pesadelo e meu sono é voo do  trabalho do dia transpiro química atrás da molécula amorosa da erupção da ciência e do [...]

Poesia de Marilice: Dos LUGARES Afins

fachada máscara armadilha bordel labirinto baús mansões adega solário pátios armários coberturas escondem masmorras? todo mundo no fundo um porão corredores escuros sobrado porta janela pode alçapões para o céu livre tramela aos amigos no térreo calor há espera cálices a guardar vinho no carinho posta a mesa mas só casa com outra casa gerânios […]